BLOGELLERA

Aprendizados de 2021 em UX.

A vida mudou. A forma de comprar, também. As buscas do Google nos mostram a evolução dos nossos desejos e preocupações.


O que vai ficar no pós-pandemia?

Como fazer e-commerces mais eficientes?

E, enfim, e não menos importante: como iremos mitigar as perdas?

É o que tentaremos trazer com este artigo baseado no Think With Google.



Tendências de comportamento de mulheres: a busca por liberdade em seus corpos, carreiras e rotinas


Na ala do comportamento, vimos a barriga negativa ceder espaço para o body positive.

As buscas por transição capilar têm crescido, ao mesmo tempo que muitas mulheres brasileiras não têm receio de dizer que não pretendem ser mães.

Dados também mostram que as mulheres são responsáveis pelas compras em 96% dos lares brasileiros, apesar de chefiarem apenas 37% deles.

Números como esses mostram que equidade, inclusão e diversidade são necessidades e têm urgência.

Daqui para a frente, as pessoas vão esperar mais comprometimento e suporte das marcas. E a publicidade tem um papel fundamental em quebrar estereótipos.


Deslocamento em tempos de pandemia: o que os insights do Waze dizem sobre os novos caminhos dos consumidores.


Os brasileiros tiveram que aprender a reservar suas idas para bares e restaurantes.

Hoje, as buscas por locais abertos, arejados e maiores também têm ganhado destaque.

No varejo, as lojas mais procuradas são aquelas que as pessoas já conhecem e em que confiam.


Novas lojas ganham espaço na vida dos consumidores apenas quando oferecem desconto, novidades ou formas de pagamento ainda mais facilitadas.
As compras por impulso migraram com certo sucesso para o ambiente online, e hoje vemos alguns segmentos com um crescimento contínuo de visitas em lojas físicas, semelhante a janeiro de 2020.

Percentuais da presença em loja em 2021 em relação à 2020

  • 107% Supermercados

  • 112% Lojas de carro

  • 115% Lojas de decoração

  • 114% Farmácias


A jornada de compras mudou. O que fica após a pandemia?


Durante a pandemia, também vimos que as pessoas priorizaram o essencial. Ao mesmo tempo, foram cada vez mais ao e-commerce, cujo faturamento dobrou de R$ 26,4 bilhões no primeiro semestre de 2019 para R$ 53,4 bilhões primeiro semestre de 2021 (veja só a necessidade de olharmos com muita atenção para o UX - Experiência do Usuário!!).


Enquanto profissionais de marketing olham para um futuro pós-pandemia, uma questão importante a ser respondida agora é: quais dessas mudanças vieram para ficar?


Em busca de respostas, o Google rodou uma pesquisa relacionada a três indústrias – varejo, viagem e finanças –, em mercados ao redor do mundo, perguntando para os consumidores sobre seus hábitos de consumo. Saiba mais neste artigo.


Nova pesquisa aponta como a tecnologia pode ajudar os

e-commerces brasileiros a melhorar a experiência do usuário.

Você pensa em questões como a usabilidade do seu site?

Formas de facilitar a compra online?


Seu site está preparado para um alto volume de acessos?


Veja quais ações você pode tomar em cada etapa da jornada de compra.


Etapas de compra no e-commerce e suas ações:



1. Conhecimento/Descoberta.

(quando a pessoa descobre a marca ou produto):


Fale da utilidade da sua marca/produto na vida das pessoas.

Mostre, sem apelar para preço, como ele pode melhorar a vida delas.

A jogada aqui é falar em termos gerais, não focar tanto na sua marca ou produto.


Exemplo: Uma loja de bolas de futebol pode contar a história da bola, pode falar sobre os tipos de bola que são mais adequados para cada tipo de quadra/campo.


Reação: Aqui a pessoa tem que pensar: "esse produto tem a ver comigo".


2. Consideração

(quando a pessoa considera comprar o produto e começa a fazer pesquisas de preços):


Agora é a hora de mostrar as qualidades específicas da sua marca/produtos.

Fale do que o diferencia; pode ser atendimento, pós-venda, qualidade.


Exemplo: A loja de bolas apresenta a variedade de modelos que tem e seus valores, mostrando que há opções para todas as faixas de renda/uso.


Reação: Aqui a pessoa vai começar a comparar seus produtos e preços com os da concorrência. Procure demonstrar o máximo de humanização e facilidades de atendimento e, principalmente, pós-venda!


3. Compra

(quando a pessoa faz a escolha, coloca no carrinho, etc.)


Tenha todo o cuidado com a página de check-out, ela precisa dar segurança, para isso:

Tenha apenas elementos essenciais.

Mostre avaliações de clientes que já compraram produtos de você.


Tenha um check-out facilitado, considere a possibilidade de a pessoa comprar sem precisar fazer cadastro.


4. Lealdade/Pós-venda

(quando a pessoa fica encantada ao entrarmos em contato para saber se está tudo bem):


Envie mensagens de pós-venda, não apenas do acompanhamento das etapas de entrega, mas também se o cliente gostou, se ficou tudo bem.

Pergunte se pode melhorar algo no e-commerce.


Procure fazer esse contato final da forma mais humanizada possível.


Espero ter ajudado.

Bons negócios!


Fonte: Think With Google